Minhocário e composteira: aprenda a fazer e produza adubo em sua casa

Corte pela metade sua produção de resíduos de forma simples e barata e ganhe com isso!

As minhocas são animais detritívoros e que formam túneis e galerias no solo. Graças a esta primeira habilidade, reciclam a matéria orgânica, auxiliando na decomposição, ao mesmo tempo em que enriquecem o solo – uma vez que expelem húmus ao ingeri-la.

A minhocultura é um processo de reciclagem de resíduos orgânicos (restos de alimentos, folhas, esterco, etc) por meio da criação de minhocas com o intuito de produzir o húmus, um excelente adubo para a atividade agrícola. Pode parecer muito pouco, mas cada brasileiro produz em média 383 quilos de lixo todos os anos, sendo metade resíduos orgânicos. Uma redução poderia, inclusive, aliviar os cofres públicos. A cidade de São Paulo, por exemplo, gasta R$ 1,5 bilhão todos os anos somente na coleta e transporte.

Vantagens do minhocário

Minhocário é um dos elementos para uma casa mais autossuficiente – Ilustração: Guilherme Henrique

Mais da metade de todo o lixo doméstico produzido é de origem orgânica, ou seja, restos de alimentos, a utilização de um minhocário tem como principal vantagem reduzir seu lixo orgânico, gerar terra adubada para uma possível horta e diretamente ajuda o meio ambiente.

Parte desses restos de alimentos pode ser compostada, o que evita a emissão de gases de efeito estufa (como o metano) – não só pelo próprio processo de transformação do lixo em húmus, mas também porque reduz as emissões da queima de combustível do transporte do lixo até os aterros.

Além disso, o minhocário ajuda a reduzir a demanda por espaços em aterros e lixões, que costumam concorrer com outros usos do solo que trariam mais benefícios para a sociedade, como a construção de parques, hortas, espaços para esportes, entre outros. Algumas pessoas relatam ainda que o contato com o minhocário proporciona benefícios terapêuticos.

Minhocários

Existem vários tipos de minhocários, dos mais simples até os mais caros. Para agricultores familiares, que não pretendem vender comercialmente o húmus produzido, mas apenas utilizá-lo na propriedade, o mais indicado é fazer um minhocário de baixo custo e pouca manutenção.

É preciso deixar claro: composteira, quando bem cuidada, não tem cheiro, não é nojenta. As minhocas ficam tranquilas dentro da caixa e o composto fica parecendo uma terra escura e fofa. Para quem mora em apartamentos ou em casas sem quintal, a melhor opção é o minhocário com caixas empilhadas. Na internet é fácil encontrar modelos que já vem prontos para começar a usar. Para os adeptos do faça você mesmo, no entanto, não é difícil montar a sua.

Minhocário – Ilustração: Guilherme Henrique

O que você vai precisar para montar sua composteira:
1- Caixas plásticas com tampa e que, quando empilhadas, encaixem de forma segura. Servem aquelas de organização, encontradas em lojas de artigos para a casa, ou baldes de conserva ou margarina, que podem ser encontrados em pizzarias e padarias;

2 – Torneira para filtro;

3 – Húmus de minhoca (depois deste processo inicial não terá mais que adquirir esse material);

4 – Minhocas californianas. Se não encontrar minhocas vivas para comprar, o húmus é cheio de ovinhos de minhoca. Demora um pouco mais, mas logo elas começam a surgir na sua composteira;

5 – Material orgânico seco. Pode ser aparas de grama, folhas secas que coleta na praça perto da sua casa, serragem que pode ser adquirida em qualquer marcenaria (é importante que não contenham qualquer produto químico, como tinta ou verniz).

Como fazer:
1 – Faças furos diversos pequenos furos nas duas caixas destinadas à receber os resíduos. Eles tem que ser pequenos o bastante para que o húmus não escorra todo para as caixas abaixo, mas grandes o suficiente para que as minhocas transitem por lá. De 1 milímetro a 1,5 mm;

2 – Na caixa inferior, destinada à coleta do chorume, faça um furo na lateral de modo que comporte a torneira e a instale. É dali que vai sair seu fertilizante líquido. Para evitar entupimentos, pode colocar uma tela na parte interior;

3 – Faça uma cama com húmus de minhoca na primeira caixa digestora após a destinada ao chorume. Será a primeira a receber alimentos, dando um início no sistema. Caso tenha minhocas, você pode colocar elas ali também;

E com garrafa PET é possível fazer? Claro que sim, segue os materiais necessários e a sua montagem.

O minhocário com garrafa PET, sugere-se deixar  em local com pouca iluminação e bem arejado. É válido lembrar que quanto mais arejado o sistema, melhor sua eficiência de degradação e menor o mal cheiro. Se seu minhocário apresentar mal cheiro, há problemas na decomposição. Isso pode ser resolvido revolvendo o material do minhocário de vez em quando e/ou fazendo pequenos furos nas paredes das garrafas com resíduos, para permitir maior entrada de oxigênio.

Materiais utilizados
Estrutura
– 3 garrafas de 2 litros (ou de 5, ou de 10);
– 1 torneira de tanque;
– 1 corda ou elástico;
– Saco de cebola ou tela;
– Tesoura;
– Prego grande;
– Prego pequeno;
– Fita Durex.

“Cama” das minhocas
– Material orgânico seco (palha, serragem, folhas e galhos secos, etc);
– Terra;
– Pedras de aquário;
– Minhocas.

COMO MONTAR
1ª Garrafa – Base: Chorume
– Terá sua boca cortada. Será a caixa de reservatório do chorume.
– Deve-se fazer um pequeno buraco na parede da garrafa, próxima a base, para o encaixe da torneira, a qual possibilitará o vazamento do chorume. A intenção de aproximar a torneira da base é proporcionar uso rápido desse chorume. Quanto mais alta a torneira ficar na garrafa, maior a quantidade de chorume necessária para atingir o nível da torneira.

2ª Garrafa – Meio: Húmus
– A 2ª garrafa tem sua base cortada e sua tampa furada diversas vezes pelo prego pequeno. Também recomenda-se fazer furos na parede superior dessa garrafa, para maior oxigenação do sistema. É aconselhável o cuidado com o tamanho dos furos, pois furos maiores permitirão a entrada de insetos maiores, que não contribuem com a compostagem. O prego pequeno, para facilmente furar a tampa da garrafa, é esquentado no fogão. A garrafa então é encaixada de baixo para cima na base, sendo que os furos feitos na tampa possibilitarão o vazamento do chorume da decomposição dos resíduos orgânicos para a caixa de base.
3ª Garrada – Topo: Alimentos
– A 3ª garrafa, que ficará no topo, é colocada em pé com a boca cortada, igualmente à 1ª garrafa. A diferença entre elas é que sua base é toda furada pelo prego grande, também esquentado em fogo. Esses furos possibilitarão o trânsito de formigas e minhocas entre a 2ª e 3ª garrafa, para decomposição de material orgânico em ambas. Para cobrir a boca cortada (topo do minhocário e abertura por onde serão jogados os resíduos de sua cozinha) e impedir a entrada de animais maiores que não contribuirão com a decomposição, coloca-se a tela e prende-se com uma corda ou elástico, retirando-a toda vez que for jogado alimento novo (devido a isso deve-se fazer de forma que fixe a tela, mas que seja fácil de removê-la).
Finalização do minhocário
– A 2ª garrafa é fixada na 1ª, da base, por fita durex. Nessa 2ª são colocadas as pedras de aquário em sua boca, que está voltada para baixo. Sobre elas, são misturadas a terra e o material seco (deixe na proporção de 1 de terra para 3 de material seco), e então depositadas as minhocas (no meu minhocário usei cerca de 20, mas é possível colocar mais, para acelerar o processo) – “motorzinhos” da decomposição de material orgânico. Inicialmente, esse material será colocado na 2ª garrafa até preenchê-la. Quando isso ocorrer, a 3ª garrafa será sobreposta a essa. As duas serão fixadas por fita durex e a 3ª começará a receber os resíduos orgânicos, enquanto a decomposição ocorre na 2ª. O tempo estimado para decomposição é de 1 mês.
Não quer fazer o minhocário do zero, não tem problema, na internet existem diversos tamanhos que se encaixam a sua realidade e espaço na residência.

Pronto! Agora é só começar a compostar seus resíduos orgânicos. Acompanhe sempre a situação da composteira, adicionando matéria seca quando perceber que algo não anda bem por ali. Sempre que possível, misture o composto para que entre ar e estimule a decomposição aeróbia, realizada por bactérias que vão fazer boa parte do serviço para você e logo terá húmus para serem utilizados em sua horta.

Importância do húmus

Imagem de LUM3N

A importância do húmus para a o solo é múltipla. Ele fornece nutrientes para as plantas, regula as populações de micro-organismos e torna os solos férteis. O húmus também é fonte de carbono, nitrogênio, fósforo, cálcio, ferro, manganês, entre outras substâncias essenciais para o crescimento saudável dos vegetais.

Se o chorume for diluído em dez partes de água, serve como adubo; se for diluído em uma parte de água, serve de pesticida natural e pode ser borrifado nas folhas das plantas.

Quem pode ter um minhocário?

Não é preciso morar em um sítio ou em uma casa enorme para ter um minhocário funcionando em perfeito estado. Até quem mora em apartamento pode adquirir seu minhocário. E não precisa se preocupar com sujeira, pois se mantidos os devidos cuidados, o minhocário é higiênico e sem cheiro.

Gostou da ideia e vai fazer? Mande um vídeo para preparadoresbrasil@gmail.com ou pelos nossos grupos: Telegram ou Whatsapp.

 

Fontes:
Texto: Embrapa 
Texto e imagem: Revista Galileu 
Texto e imagem: Ecycle 
Texto e imagem: Tribuzaana



Assine nossa Newsletter


Receba toda semana as últimas notícias do Preparadores Brasil em seu e-mail

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here